Semusa monta força-tarefa para solucionar problemas no Ana Adelaide

Publicação: 05/11/2018 09:14:23

A secretaria informa ainda que não reduziu o número de profissionais nas unidades

Ciente da necessidade de adequações estruturais no pronto atendimento Ana Adelaide, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) montou uma força-tarefa formada pela equipe de manutenção da própria Semusa e da Empresa de Desenvolvimento Urbano (Emdur) para solucionar questões estruturais e elétricas do prédio.

A Emdur já fez as readequações na rede elétrica da unidade e a equipe de manutenção resolveu os problemas das centrais de ar nas salas: vermelha, de estabilização e consultórios e está finalizando o trabalho na recepção. Outras questões estruturais como banheiros e telhado já estão no cronograma para serem executados.

Energia

A Semusa esclareceu ainda que na noite desta quinta-feira, 31, a falta de energia na unidade foi causada pela Eletrobras, e que ao retornar, a energia se deu em apenas uma fase, ocorrendo a impossibilidade de funcionamento da bomba de água e das centrais de ar até o retorno completo da energia.

Medicamentos

Quanto aos medicamentos, a Semusa esclareceu que o Diazepam e Midazolam estão com estoque regular, porém, a Amiodarona encontra-se com processo em de dispensa de licitação para que seja comprado em caráter de urgência, tendo em vista que este medicamento teve o seu processo licitatório fracassado.

Profissionais

A Semusa esclarece também que não reduziu o número de profissionais médicos nos prontos atendimentos, apenas normatizou o quantitativo mínimo de médicos por plantão, conforme a instrução normativa nº 01 de 13 de setembro de 2018.

Com a normatização os plantões ficaram da seguinte forma: Ana Adelaide - 03 médicos clínicos, 01 pediatra diurno e 03 médicos clínicos noturnos; nas UPAs Sul e Leste - 04 médicos no plantão diurno e 04 no noturno.

Em situações de feriado prolongado e necessidades extremas, o diretor clínico tem autonomia para convocar mais profissionais para compor a equipe.

Por fim, a Semusa ressalta que as UPAs da capital estão classificadas, segundo Ministério da Saúde (MS), como porte III (dois médicos diurno e dois noturnos). No entanto, as unidades de pronto atendimento de Porto Velho já operam como porte VII, com número de profissionais além do que orientado pelo MS.

A Secretaria de Saúde informou que, devido ao perfil populacional da capital, já está pleiteando junto ao MS a adequação de porte da UPA.

Comdecom