Laboratório de citopatologia é referência em controle de qualidade interno

09/Abr/2019 - 12:32

Desde 2015, mais de 70 mil exames foram realizados

Em Porto Velho, o Laboratório de Citopatologia (Labocito) da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), localizado no Centro de Referência Saúde da Mulher, tem um papel fundamental nos programas de rastreamento do câncer do colo do útero.

Além de ser o único serviço público do estado de Rondônia, de execução direta dos exames citopatológicos de colo de útero e mama, é também reconhecido pelo Ministério da Saúde e INCA como um dos laboratórios com maior índice de aprovação no país.

O laboratório tem um dos melhores controles de qualidade interno (CIQ) da região, ao atender todas as determinações do Ministério da Saúde, na execução do monitoramento interno da qualidade e resultado dos exames citopatológicos de colo de útero e de mama.

O revisor do Controle de Qualidade Interno é um profissional habilitado, responsável por realizar a revisão das lâminas positivas, insatisfatórias e 10% dos esfregaços negativo, ou seja, toda lâmina obrigatoriamente é revisada por um segundo citologista e, caso haja discordância entre eles, um terceiro citologista faz uma análise do resultado.

“O controle de qualidade interno é muito forte, esse é o grande diferencial”, explica a biomédica Vanessa Ezaki. “Dentro do processo de trabalho de análise de um exame de papanicolau ou de mama, nosso laboratório busca melhorar a qualidade, desde o momento em que recebe a amostra pela unidade de saúde até a entrega ao paciente, seguindo todas as normas de segurança”.

Todos os exames de papanicolau, realizados nas unidades básicas de saúde, ou de mama, feito no CRSM, são encaminhados ao laboratório, que tem um prazo de 30 dias para entrega, a partir da data de entrada do exame no laboratório.

Desde 2015, mais de 70 mil exames passaram por esse controle interno e também pelo controle externo, realizado no Lacen para garantir o resultado com toda a segurança.

Comdecom

logotipo da prefeitura de porto velho